Dieta para emagrecer: dieta Keto funciona?

Chegou a hora de explicar de uma vez por todas o que é a Dieta Keto ou Dieta Cetogênica e como essa dieta pode, ou não, te ajudar a emagrecer. 

18 de outubro de 2019 às 18h13

Alimentos para dieta keto ou cetogênica

dieta Keto ou cetogênica funciona para você? Leia e descubra.

A dieta keto – apelido da dieta cetogênica – vem ganhando fama em um contexto global no qual, apesar de numerosos avanços científicos nos ramos de nutrição e saúde em geral, a obesidade continua a crescer em meio à população, estando relacionada a uma mortalidade de 2,8 milhões de adultos todo ano. Por isso, tendo em vista as diversas complicações advindas de uma alimentação não saudável, como hipertensão, doenças cardiovasculares e obesidade, a dieta keto oferece grande ajuda como um pontapé inicial e, especialmente, de curta duração, para aqueles que almejam perder peso rapidamente, almejando uma reeducação alimentar a longo prazo. 

Pirâmide de alimentos para quem pratica a Dieta Keto ou Cetogênica

Nesse sentido, a dieta cetogênica auxilia no emagrecimento por consistir em um método de alimentação baseado em baixo consumo de carboidratos – como pães, massas e açúcares – e alta ingestão de lipídios – como aqueles advindos de castanhas oleaginosas, leite e carnes. [1][2][3]

O que é a dieta keto ou dieta cetogênica?

De forma resumida, a dieta keto é um estilo de alimentação focado em emagrecimento por meio da ingestão de altos níveis de lipídios, média quantidade de proteína e baixíssima ingestão de carboidratos. De forma mais exata, os macronutrientes, na dieta cetogênica, são basicamente divididos na proporção de aproximadamente 55 a 60% de lipídios, 30 a 35% de proteínas e 5 a 10% de carboidratos – dessa forma, em uma dieta keto de 2000 kcal diárias, devem ser consumidos cerca de 20 a 50 gramas de carboidratos por dia.

A dieta keto surgiu como forma de combate à epilepsia em tratamentos elaborados por Russel Wilder, em 1921. Aliás, foi o próprio Wilder que cunhou o termo “dieta cetogênica”, sobre o qual explicaremos mais adiante. A partir de sua invenção, a dieta keto foi utilizada por quase uma década no tratamento de epilepsia em crianças, até sua popularidade decair, com a invenção dos primeiros medicamentos antiepiléticos. O ressurgimento da dieta cetogênica como forma de alimentação para perder peso é algo relativamente recente, e tem mostrado grande eficácia, pelo menos a curto prazo.

Dieta cetogênica explicada em detalhes

Para entendermos mais sobre a dieta keto, vamos retomar o conceito de carboidratos, que nada mais são que a fonte primária de produção energética nos tecidos corporais. Tendo isso em vista, vamos explicar o que ocorre em nosso corpo quando ingerimos porções mínimas de carboidratos, como 50 gramas ou menos por dia: a produção de insulina é significantemente reduzida, fazendo com que nosso corpo entre em um estado catabólico. Dessa forma, as reservas de glicogênio em nosso organismo são esgotadas, o que força nosso corpo a passar por mudanças no metabolismo, tais como a gliconeogênese e a cetogênese. [4][5]

Para entendermos a fundo como funciona a dieta keto, vamos então explorar esses dois processos metabólicos. A glicogênese é a produção endógena de glicose no corpo, especialmente no fígado, a partir de ácido lático, glicerol e aminoácidos como a alanina e a glutamina. Quando a disponibilidade de glicose no organismo decai drasticamente, a produção endógena de glicose não consegue satisfazer as necessidades energéticas do corpo, então a cetogênese entra em ação para suprir essa demanda de energia, por meio de corpos cetônicos. Essas substâncias basicamente substituem a glicose como fonte primária de energia, o que caracteriza o estado cetogênico, no qual o organismo reduz drasticamente o armazenamento de gordura.

O estado cetogênico no organismo é considerado relativamente seguro, uma vez que os corpos cetônicos são produzidos em pequenas concentrações, sem alterações no pH sanguíneo. Nesse sentido, é importante ressaltar que há uma grande diferença entre o estado cetogênico, ativado pela dieta keto, por exemplo, e a cetoacidose, uma condição letal na qual os corpos cetônicos são produzidos em quantidades bem maiores, alterando o pH do sangue para um estado ácido.

Existem contraindicações ou efeitos colaterais na dieta keto?

Os efeitos a curto prazo conhecidos sobre a dieta keto, com até 2 anos de uso, são bem conhecidos, e incluem sintomas como náusea, vômitos, dor de cabeça, fadiga, tonturas, insônia, baixa resistência na prática de atividades físicas e constipação. Contudo, esses sintomas comumente têm uma duração de alguns dias a poucas semanas, e podem ser combatidos ou reduzidos com uma alta ingestão de líquidos e um consumo suficiente de eletrólitos – como sódio, cloreto, potássio, cálcio e magnésio -, que são encontrados em diversos alimentos, como azeitona, alface, tomate, banana, leite, castanhas e grãos integrais.

Alimentos-praticos-para-dieta-keto

Já os efeitos a longo prazo que podem surgir a partir da dieta keto, com mais de 2 anos de uso, incluem esteatose hepática, hipoproteinemia, pedras nos rins e deficiências de vitaminas e minerais. Dessa forma, é altamente indicado que pessoas que sofrem de diabetes procurem orientação médica para ajustes em sua ingestão de insulina antes de iniciarem a dieta cetogênica. Além disso, a dieta keto é contraindicada para pacientes com pancreatite, insuficiência hepática, distúrbios do metabolismo lipídico, deficiência primária de carnitina, deficiência de carnitina palmitoiltransferase, deficiência de carnitina translocase, porfirias ou deficiência de piruvato quinase.

E por último, mas não menos importante, é preciso ressaltar que os indivíduos que fazem a dieta keto podem, raramente, apresentar falsos positivos em testes de bafômetro. Isso pode ocorrer devido à cetonemia, processo pelo qual a acetona no corpo, às vezes, é reduzida a isopropanol por desidrogenase hepática alcoólica, que pode ocasionar um falso positivo no teste de bafômetro.

Quer saber mais sobre outra dieta de emagrecimento? Leia sobre a Dieta Low Carb

Conclusão sobre a dieta keto!

No enfrentamento à epidemia de obesidade vigente em grande parte do mundo contemporâneo, alguns especialistas recomendam a dieta keto como uma forma eficiente de emagrecimento rápido. Nesse sentido, indivíduos com sobrepeso e síndrome metabólica, resistência à insulina e diabetes tipo 2 normalmente veem resultados positivos com uma alimentação saudável formulada com base em níveis baixíssimos de ingestão de carboidratos. Isso se deve ao controle aprimorado de glicose no organismo, devido a uma ingestão reduzida de glicose e ao consequente aumento na sensibilidade à insulina. Além de redução de peso, a dieta keto pode ajudar a melhorar os níveis de pressão arterial, regulagem de glicose sanguínea, triglicérides e colesterol HDL – contudo, o nível de colesterol LDL pode aumentar com a dieta.

Finalmente, conclui-se que, no curto prazo, a dieta cetogênica pode auxiliar indivíduos a perderem peso, mas não há evidências de que esse benefício seja sustentado a longo prazo. Além disso, incontáveis estudos mostram que a dieta keto pode estar associada a diversas complicações e pode até mesmo levar a complicações emergenciais devido a desidratação, distúrbios eletrolíticos e hipoglicemia.

Por isso, é de suma importância procurar um especialista antes de iniciar a dieta keto, para que a compatibilidade entre a dieta cetogênica e sua realidade individual seja analisada em detalhes. [9][10][11]

*Nós aqui do Nômades temos o comprometimento com a qualidade da informação. Por isso todas as nossas postagens são baseadas em pesquisas cientificas. 

**Sempre procure um médico ou nutricionista para receber orientações personalizadas para o seu perfil.

É só Clicar no botão abaixo para aprofundar no assunto sobre Dieta Keto ou Cetogênica

1 LaFountain RA, Miller VJ, Barnhart EC, Hyde PN, Crabtree CD, McSwiney FT, Beeler MK, Buga A, Sapper TN, Short JA, Bowling ML, Kraemer WJ, Simonetti OP, Maresh CM, Volek JS. Extended Ketogenic Diet and Physical Training Intervention in Military Personnel. Mil Med. 2019 Mar 16; [PubMed]

2 Roehl K, Falco-Walter J, Ouyang B, Balabanov A. Modified ketogenic diets in adults with refractory epilepsy: Efficacious improvements in seizure frequency, seizure severity, and quality of life. Epilepsy Behav. 2019 Mar 10; [PubMed]

3 Martin-McGill KJ, Lambert B, Whiteley VJ, Wood S, Neal EG, Simpson ZR, Schoeler NE., Ketogenic Dietitians Research Network (KDRN). Understanding the core principles of a ‘modified ketogenic diet’: a UK and Ireland perspective. J Hum Nutr Diet. 2019 Mar 11; [PubMed]

4 Jagadish S, Payne ET, Wong-Kisiel L, Nickels KC, Eckert S, Wirrell EC. The Ketogenic and Modified Atkins Diet Therapy for Children With Refractory Epilepsy of Genetic Etiology. Pediatr. Neurol. 2019 May;94:32-37. [PubMed]

5 Mohorko N, Černelič-Bizjak M, Poklar-Vatovec T, Grom G, Kenig S, Petelin A, Jenko-Pražnikar Z. Weight loss, improved physical performance, cognitive function, eating behavior, and metabolic profile in a 12-week ketogenic diet in obese adults. Nutr Res. 2019 Feb;62:64-77. [PubMed]

Continuação

6 Ma S, Suzuki K. Keto-Adaptation and Endurance Exercise Capacity, Fatigue Recovery, and Exercise-Induced Muscle and Organ Damage Prevention: A Narrative Review. Sports (Basel). 2019 Feb 13;7(2) [PMC free article] [PubMed]

7 Oh R, Uppaluri KR. StatPearls [Internet]. StatPearls Publishing; Treasure Island (FL): Jan 28, 2019. Low Carbohydrate Diet. [PubMed]

8 Broom GM, Shaw IC, Rucklidge JJ. The ketogenic diet as a potential treatment and prevention strategy for Alzheimer’s disease. Nutrition. 2019 Apr;60:118-121. [PubMed]

9 Włodarek D. Role of Ketogenic Diets in Neurodegenerative Diseases (Alzheimer’s Disease and Parkinson’s Disease). Nutrients. 2019 Jan 15;11(1) [PMC free article] [PubMed]

10 Guzel O, Uysal U, Arslan N. Efficacy and tolerability of olive oil-based ketogenic diet in children with drug-resistant epilepsy: A single center experience from Turkey. Eur. J. Paediatr. Neurol. 2019 Jan;23(1):143-151. [PubMed]

11 Armeno M, Araujo C, Sotomontesano B, Caraballo RH. [Update on the adverse effects during therapy with a ketogenic diet in paediatric refractory epilepsy]. Rev Neurol. 2018 Mar 16;66(6):193-200. [PubMed]

Publicado por Nômades

em parceria com @Mateus Paniago e @Jean Lourenço